segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Sínodo 2012: Líder da Igreja Anglicana destaca potencial humanizador da fé cristã

Papa Bento XVI e Rowan Willians, líder da Igreja Anglicana.

O arcebispo da Cantuária (Inglaterra) e líder da Igreja Anglicana marcou presença no Sínodo dos Bispos que decorre no Vaticano e pediu aos participantes católicos que destaquem o potencial da fé cristã para uma vida “mais humana”.

Rowan Williams, um dos convidados deste evento, defendeu que a sociedade espera por esta mensagem que ajude a viver “com a consciência de que existe uma alegria sadia e duradoura”.

“Temos de vigiar com atenção para que a nossa evangelização não seja simplesmente um modo de persuadir as pessoas a aplicar a Deus e à vida do espírito todos os desejos de dramatismo, de agitação e autocomplacência que muitas vezes nos acompanham na vida quotidiana”, observou, numa intervenção pronunciada perante os mais de 260 prelados da assembleia sinodal, esta quarta-feira.

O responsável anglicano sublinhou que as iniciativas destinadas a quem se afastou da Igreja ou ao “público pós-cristão” devem ser fundadas numa “práxis contemplativa partilhada de forma ecuménica”.

“A contemplação representa a única resposta definitiva ao mundo irreal e louco que os nossos sistemas financeiras, a nossa cultura publicitária e as nossas emoções caóticas e incontroladas nos convidam a habitar”, prosseguiu.

A 13ª assembleia geral ordinária do Sínodo dos Bispos, um organismo consultivo convocado pelo Papa, tem como tema ‘A nova evangelização para a transmissão da fé cristã’.

“A evangelização, seja nova ou velha, deve enraizar-se numa profunda confiança de que todos nós temos um destino humano específico a mostrar e partilhar com o mundo”, afirmou Rowan Williams.

O Sínodo decorre desde domingo e insere-se no programa das celebrações do 50.º aniversário do Vaticano II (1962-1965).

O arcebispo da Cantuária confessou que para muitos da sua geração, fora das fronteiras da Igreja Católica, o Concílio “representou o sinal de uma grande promessa” num momento em que se procurava “partilhar o Evangelho com o espírito complexo, muitas vezes rebelde, sempre inquieto, do mundo moderno”.

“O rosto que temos de mostrar ao nosso mundo é o rosto de uma humanidade em incessante crescimento rumo ao amor”, declarou.

Rowan Williams elogiou o trabalho de “grandes redes espirituais” como a comunidade católica de Santo Egídio ou os movimentos dos Focolares e o Comunhão e Libertação, “abertos a uma visão humana mais profunda” porque oferecem “uma disciplina de vida pessoal e comum” destinada à descoberta de Jesus Cristo.

O 104.º arcebispo da Cantuária, teólogo e poeta, vai deixar o cargo no final de 2012 para se dedicar à vida académica. Williams encontrou-se em privado com Bento XVI, no Vaticano, antes da sua intervenção no Sínodo. (Por OC)


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...